domingo, 27 de dezembro de 2009

Estado de alma

Póvoa de Varzim, 2009, © Adelina Silva

Há duas maneiras de olhar as coisas, como há duas maneiras de as não olhar. Ou se olham pondo-nos de fora delas ou pondo-nos dentro delas. Só no segundo caso as vemos bem, porque só então nos vemos mal ou simplesmente nos perdemos a nós de vista. O primeiro ver é o do homem prático, o segundo, o do artista. Um e outro também divergem no modo de não ver as coisas. O primeiro porque simplesmente as não vê; o segundo porque não repara nelas. Ao contrário do que se supõe, o mundo real não existe para o homem prático: o que existe é a sua instrumentalização.

Vergílio Ferreira, in "Conta-Corrente 2"

5 comentários:

Pedro Ferreira disse...

Quando olhamos as coisas/problemas/situacoes de fora, tudo nos parece mais simples do que quando nos afecta pessoalmente... o importante é que tenhamos discernimento na resolucao desse problema enfrentado...
Um bom ano, com tudo de bom...

mfc disse...

Gostei imenso do texto e da imagem!
Um post notável, sem dúvida.

Bubly disse...

Amei o post e o blog!
Essa imagem me fez sentir livre.. Parabéns (:

Arnaldo Macedo disse...

Estou a olhar para foto.................... Contemplo uma bicicleta com as suas barbatanas à
Espera que um peixe voador convide a ir navegar num mar de sonhos.... Se calhar estou para aqui a criar uma história surrealista... Não existe bicicleta nenhuma.!!??? Mas afinal o que é real ou surreal????
Bem, vou terminar o olhar e deixar um pouco do meu paladar
Deixo te ficar 950 gramas de beijos recheados de pudim chinês com molho de mousse de ananás...

Remus disse...

Eu olhei para tudo e destaco:
1º - A bicicleta à Porto.
2º - O guiador da bicicleta está todo ferrugento.
3º - A roda traseira da bicicleta, não possui os discos reflectores.
4º - O mar parece não estar propicio para o surf.

;-) Passei no teste do "olhar"?