domingo, 27 de dezembro de 2009

Estado de alma

Póvoa de Varzim, 2009, © Adelina Silva

Há duas maneiras de olhar as coisas, como há duas maneiras de as não olhar. Ou se olham pondo-nos de fora delas ou pondo-nos dentro delas. Só no segundo caso as vemos bem, porque só então nos vemos mal ou simplesmente nos perdemos a nós de vista. O primeiro ver é o do homem prático, o segundo, o do artista. Um e outro também divergem no modo de não ver as coisas. O primeiro porque simplesmente as não vê; o segundo porque não repara nelas. Ao contrário do que se supõe, o mundo real não existe para o homem prático: o que existe é a sua instrumentalização.

Vergílio Ferreira, in "Conta-Corrente 2"

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

O Medo foi de Férias

Gondomar, 2009 © Adelina Silva

O medo vai ter tudo
fantasmas na ópera
sessões contínuas de espiritismo
milagres
cortejos
frases corajosas
meninas exemplares
seguras casas de penhor
maliciosas casas de passe
conferências várias
congressos muitos
óptimos empregos
poemas originais
e poemas como este
projectos altamente porcos
heróis
(o medo vai ter heróis!)
costureiras reais e irreais
operários
(assim assim)
escriturários
(muitos)
intelectuais
(o que se sabe)
a tua voz talvez
talvez a minha
com a certeza a deles

extracto do "Poema  pouco original do Medo", de Alexandre O'Neill

domingo, 20 de dezembro de 2009

A Pele do Medo

Santiago de Compostela, 2009 © Adelina Silva


não te rogo. pressinto-te deste lado e sei que nunca te tive como pensavas que te tinha. subiste um pano, mostraste-me o que eras, solto, leve, e não soube ver que aquilo era algo que vendias, algo que tentavas entregar a quem não te era como eu te era.

não é a tua pele que sinto quando me tocas como agora me tocas, é um fio de saudade, uma corda de dor, um medo próximo que julgávamos distante.

nunca desisti, amor.

deixei-te perdido, atirado para a sarjeta da mágoa solitária. nada me pediu que o fizesse. foi um lapso de amor, como se o amor fosse um rolo fotográfico com espaços em branco, imagens que não saem. venci-me por um espaço em branco. fraqueza. derrotei-me por ser humana.

Pedro Chagas Freitas, in "A Pele do Medo" (a publicar)


quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Morte de Rimbaud

Madrid, 2009 © Adelina Silva




Dantes ouvia o mar... bastava encostar a cabeça ao peito um do outro.
Mas um homem em cujo coração esteja concentrada toda a fúria de viver, será um homem feliz?
Não sei se posso querer alguma eternidade... não sei...
... o que vejo já não se pode cantar.

Que horas serão dentro do meu corpo?
Que mineral vermelho jorraria se golpeasse uma veia... não sei...
... o que vejo já não se pode cantar.
Lembro-me duma cabeça rebelde flutuando junto à janela. Mas a casa está repleta de gemidos, vai amanhecer, não me lembro de mais nada.
Al Berto, in “Horto de Incêncio”

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Fantasmas

Porto, 2009 © Adelina Silva
(…)
verdade - bateram à porta
mas não podias abrir
nesta casa só sobrevive a memória turva
dos poemas amados - mais ninguém mais nada
além da parede de lodo e da caixa de sapatos
cheia de sílabas preciosas - e uma mesa pequena
com um albatroz empalhado para te vigiar a alma
(…)
Al Berto, in “Horto de Incêndio”

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Crystie Street

Sevilha, 2009 © Adelina Silva


O caminho está cheio de cidades
Cujo nome perdi. Tal como o teu.
Cobria-te do sol pela manhã
E era suave ocultar-te com o corpo.
Isso deve bastar-te. Basta-me a mim.
É inútil chorares aí à porta:
Os sapatos conduzem ao caminho.
Atira se puderes minha lembrança a um poço
Ou aprende as canções da tua infância.
Os sapatos conduzem-me ao caminho.
J.M. Fonollosa, in “Cidade do Homem: New York”

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

E Olé.... yo!

Sevilha, 2009 © Adelina Silva

(...)
Quilhas partidas, navios ao fundo, sangue nos mares!
Convezes cheios de sangue, fragmentos de corpos!
Dedos decepados sôbre amuradas!
Cabeças de creanças, aqui, acolá!
Gente de olhos fora, a gritar, a uivar!
Eh-eh-eh-eh-eh-eh-eh-eh-eh-eh!
Eh-eh-eh-eh-eh-eh-eh-eh-eh-eh!
Embrulho-me em tudo isto como numa capa no frio!
Roço-me por tudo isto como uma gata com cio por um muro!
Rujo como um leão faminto para tudo isto!
Arremeto como um touro louco sôbre tudo isto!
Cravo unhas, parto garras, sangro dos dentes sôbre isto!
Eh-eh-eh-eh-eh-eh eh-eh-eh-eh!

De repente estala-me sôbre os ouvidos
Como um clarim a meu lado,
O velho grito, mas agora irado, metálico,
Chamando a presa que se avista,
A escuna que vai ser tomada:
(...)

Ode Marítima - Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)
Sevilha, 2009 (c) Adelina Silva

Rap da Tourada


terça-feira, 24 de novembro de 2009

Deixa-me entrar

Sevilha, 2009 © Adelina Silva

Abre o teu coração e deixa-o ficar aberto. Não é preciso que seja durante muito tempo. Só para que algumas palavras possam passar, sair e entrar. Palavras tão velhas que as há desde que as há. Sobretudo as que para saírem têm antes de entrar e o inverso. Todas as palavras merecem todo o respeito, o maior respeito. Porque mais não temos e talvez seja por isso que, ao começar a falar, já não é possível parar, mesmo querendo tudo calar.
Pedro Paixão, in “Viver Todos os Dias Cansa”

domingo, 22 de novembro de 2009

Bonsoir! C'est la folie!

Madrid, 2009 © Adelina Silva


Bonsoir
Ton véhicule n'a pas l'air d'avoir de passager
Peux-tu, Veux tu me recevoir
Sans trop te déranger?
(...)
Et si parfois l'on fait des confessions
A qui les raconter - même le bon dieu nous a laisse tomber
Un autre endroit, une autre vie
Eh oui, c'est une autre histoire
Mais a qui tout raconter?
Chez les ombres de la nuit?
(...)
Extracto da letra dos Stranglers - La Folie

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Acto de Amor

Sevilha, 2009 © Adelina Silva



Da janela avista-se uma linha verde de ervas, rasteiras e macias, tão macias que podemos imaginar um corpo nu deitado sobre elas, entregando-se, num acto amoroso, à natureza que o gerou e completa. Cresce sobre essa linha uma árvore ainda jovem, com o tronco rasgado em dois braços abertos, erguidos para o céu. Pelas mãos de ambos chega-nos aos ouvidos uma melodia breve, um rumor elemental que nos fere os sentidos e ecoa pelas cavidades interiores do corpo, como um fio de água límpida que corre numa fonte, bem perto dali.
Há ainda uma casa sobre a linha verde de erva macia. É castanha, da cor da terra que não se vê da janela. Nasceu dos trabalhos da mão de ambos os poetas, a árvore e o jovem que há pouco, debaixo dela, se deitava com a erva. Cada uma das pedras que a erguem na paisagem, diante dos nossos olhos, é um som cristalino e puro. É nela que o poeta regista os acordes do solene acto de amor que vive com a natureza. É nela que se concentra o vivo lume dos cíclicos exercícios da sua mão, que colhe os frutos da árvore, e da sua boca, que canta o seu sabor.
Circulam por entre as linhas desta mínima visão, algumas das mais ternas razões que poderemos ter, neste Inverno, para ler a poesia de Eugénio de Andrade. Porque dentro de casa está o fogo, o vivo lume que nos aquece as mãos. Entremos.
José Pedro Ferreira,
in Eugénio de Andrade – Textos e Pretextos, Inverno 2004, nº 5

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Sonidos de calle

Sevilha, 2009 © Adelina Silva
Ainda tenho em mente a imagem magra, franzina, uma bengala na mão, quem sabe se por vaidade ou se por vontade...
Ainda tenho em mente, a figura esbelta, rebelde...
passando na rua sem saída onde habitávamos,
nas noites de solidão.
Ainda tenho em mente
o sorriso cordial, sempre presente, quando passavas
p'lo grupo de miúdos de guitarra na mão e canções idealistas
nessas noites de Verão.
Ainda tenho em mente
"lá vai o Mário..." e os "boas noites!"
e o sorriso sempre presente
Ainda tenho em mente
sempre presente
a figura magra, franzina,
voz calma e serena
quando conversávamos, por momentos,
antes de ires procurar a tua inspiração
nessas noites de Verão.
Mário Cesariny
Feliz aniversário Mário

sábado, 14 de novembro de 2009

Maluda

Sevilha, 2009 © Adelina Silva

Esta janela já não tem enredos,
ninguém por ela espreita, ninguém espera
vê-la semicerrar, semiabrir
o olhoblíquo do ciúme;

nem por ela passarão as trajectórias
do suicida e do escalador.
Romeu morreu e a doce expectação
de Julieta é comprimido sono.

Sequer uns braços nus de janeleira,
hasteada brancura, nela podem
demorar o gozo dum voyeur,
que esta janela já não serve para...

Esta janela é uma finta, é uma jogada
no xadrez de quem a pinta e assina.
Alexandre O'Neill

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Vazio

Porto, 2009 © Adelina Silva
Para além de outro oceano
(...)
Uma sala grande e vazia é uma alma silenciosa
E as correntes de ar que levantam pó são os pensamentos
(...)
Fernando Pessoa


domingo, 8 de novembro de 2009

Manual de Boas Maneiras

Porto, 2009 © Adelina Silva

A maneira moderna de cuspir — ou melhor, de não cuspir —também se define vagarosamente. Alguns manuais da Idade Média instam as crianças a não cuspirem na mesa, à mesa nem na bacia. Erasmo, depois de afirmar que “é mal educado engolir a saliva”, adverte que devemos afastar-nos dos outros para expeli-la no chão e, se isto não for possível, usar um lenço. Com Giovanni della Casa, a proposta é repressiva: o homem deve evitar cuspir o quanto for possível: bom mesmo seria fazer como certos povos que não cospem jamais. Porém, se não o conseguirmos, pelo menos podemos reduzir o número das nossas cusparadas (1558). Em 1672, Courtin retorna ao exemplo de Erasmo para dizer que não é admissível cuspir no chão — nem bocejar diante dos outros.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Desespero

Porto, 2009 © Adelina Silva

Há uma ligação muito estreita entre a adoração da acção e o uso do homem como meio de atingir fins que não são o homem. Como há uma ligação aproximada entre este desespero e a acção, entre a razão e a acção. A proeminência dos valores da acção sobre os da contemplação indica, sobretudo, que o homem abandonou totalmente a busca duma ideia aprazível do homem e o desejo de o colocar como fim. E que na impossibilidade de agir segundo um fim, ou de agir para ser homem, ele decide agir de qualquer maneira, apenas para agir.
O homem de acção é um desesperado que procura preencher o vazio do seu próprio desespero com actos ligados mecanicamente uns aos outros e compreendidos entre um ponto de início e um ponto de conclusão, ambos gratuitos e convencionais.

Alberto Moravia, in "O Homem Como Fim”

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Menina à janela

Porto, 2009 © Adelina Silva


Preciso dos outros ( quem de mim precisa?)
Nos teus olhos vejo uma promessa nua.
A esperança está viva, a vida está certa:
guarda a minha mão, guardarei a tua.
Alexandre O'Neill

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Perenidade

Porto, 2009 © Adelina Silva
O que mais me intriga e dói na nossa morte, como vemos na dos outros, é que nada se perturba com ela na vida normal do mundo. Mesmo que sejas uma personagem histórica, tudo entra de novo na rotina como se nem tivesses existido. O que mais podem fazer-te é tomar nota do acontecimento e recomeçar. Quando morre um teu amigo ou conhecido, a vida continua natural como se quem existisse para morrer fosses só tu. Porque tudo converge para ti, em quem tudo existe, e assim te inquieta a certeza de que o universo morrerá contigo. Mas não morre. Repara no que acontece com a morte dos outros e ficas a saber que o universo se está nas tintas para que morras ou não. E isso é que é incompreensível - morrer tudo com a tua morte e tudo ficar perfeitamente na mesma. Tudo isto tem significado para o teu presente.

Vergílio Ferreira, in "Escrever"

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Bruxas há muitas

Santiago, 2009 © Adelina Silva


As bruxas assumem muitas formas. Já o escritor Roal Dahl nos avisava que elas estão onde menos se espera. Se fossem todas iguais às dos livros, não havia nenhum menino, nem nenhum adulto que entrasse nas suas casas de chocolate e acabasse preso numa gaiola, na engorda.
É para poderem enfeitiçar mais gente que elas às vezes se disfarçam, e só percebemos quem realmente são quando deixam cair a máscara. Ou seja, invariavelmente, tarde de mais.
A bruxa vingativa. Há mulheres que nasceram para fazer a vida dos homens num inferno, que me desculpem as minhas correligionárias. Não é por os obrigarem a dizer que gostam delas vinte vezes ao dia, que isso é uma banalidade congénita, mas por viverem obcecadas pelo seu ciúme e não permitirem que os pobres rapazes se afastem dois passos sem a sua companhia. Fingem que procuram um par, mas na realidade querem um servo da gleba. Há relações com bruxas vingativas que duram anos, tal o medo de uma separação, mas os que conseguem dar o grito do Ipiranga recebem a confirmação de que os seus receios eram justificados. Estas bruxas recusam-se a aceitar que o amor tenha acabado, ou a «união» chegado ao fim. Quando sentem que ainda podem reconquistar o escravo, fazem o papel de coitadinhas, mas mal percebem que a ruptura é definitiva, deitam as garras de fora.
A bruxa sedutora. São aquelas que abusam constantemente da nossa boa-fé e da nossa bondade. Falam com uma voz melosa e insinuam-se o mais que podem. Aquilo cheira-nos ligeiramente a esturro, por vezes temos quase a certeza de que nos estão a dar uma grande tanga, mas lá vamos dando o benefício da dúvida. E, de caminho, cumprindo as suas ordens, fazendo o seu trabalho, assumindo as suas responsabilidades e, quando damos por isso, não passamos de marionetas nas suas mãos hábeis. No dia em que perdemos a cabeça, a bruxa sedutora faz o papel de vítima com tanto jeito para o teatro, que acabamos por nos chicotear a nós mesmos.
As bruxas boas. Estas são a paixão de qualquer pessoa de bom senso. Usam o chapéu de bico sem vergonha, montam-se em vassouras em pleno dia e não escondem o caldeirão na despensa. Podem desarmar quem quiserem com a sua varinha, mas, quando o fazem, o desarmado/a agradece, porque só fica a ganhar. Quando se encontra uma bruxa boa, nunca mais se suporta uma mulher banal, que não seja capaz de aquecer o jantar, mudar os móveis de sítio, ou fazer-nos rir até às lágrimas, só com um torcer de nariz. Felizmente todos conhecemos bruxas destas, e se formos gente cheia de sorte, até temos uma ou duas lá em casa.
Isabel Stilwell, adaptado de DESTAK FDS , Abril 2008

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

O sossego da escala

Porto, 2009 © Adelina Silva

Os homens em regra não sentem o escoar do tempo. Vivem em paz provisória. Nós, porém, ao chegar a uma escala, tínhamos a noção desse escoar, ao pesarem sobre nós os ventos alísios, sempre em marcha. Fazíamos lembrar o passageiro do rápido, saturado do ruído nocturno dos eixos, que pelos punhados de luz dissipados por detrás da janela adivinha o correr das campinas e das suas aldeias e domínios encantados, dos quais coisa nenhuma pode reter, visto achar-se em viagem. Também nós, animados por ligeira febre, os ouvidos ainda zunindo do ruído do voo, sentíamo-nos em andamento, apesar do sossego da escala. Assim nós, nós também, dávamo-nos conta de ser arrebatados para um destino desconhecido, através do espírito dos ventos, pelo pulsar dos nossos corações.

Antoine de Saint-Exupéry, in “Terra dos Homens”


domingo, 25 de outubro de 2009

Desencontro

Porto, 2009 © Adelina Silva


Só quem procura sabe como há dias
de imensa paz deserta; pelas ruas
a luz perpassa dividida em duas:
a luz que pousa nas paredes frias,
outra que oscila desenhando estrias
nos corpos ascendentes como luas
suspensas, vagas, deslizantes, nuas,
alheias, recortadas e sombrias.

E nada coexiste. Nenhum gesto
a um gesto corresponde; olhar nenhum
perfura a placidez, como de incesto,

de procurar em vão; em vão desponta
a solidão sem fim, sem nome algum -
- que mesmo o que se encontra não se encontra.

Jorge de Sena, in 'Post-Scriptum'

sábado, 24 de outubro de 2009

Atei-a

© Adelina Silva

A teia foi construída com as palavras da lua
E com a ajuda do vento.
O corpo preparou-se para a entrega da
Delicadeza e ela esperou em surpresa
Pela chegada do desejo e da paixão.
Ficou parada sentido o tempo cobrar
Até que ele chegasse e ficasse, não como
Uma vítima, mas como compromisso
E eternidade.

Ele veio banhado de promessas e
Mãos de sonho...ela cozinhou o
Amor, cantou para ele de dia e o
Enrolou em sua teia de prazer à noite.
Seus lençóis de cetim foram perfume
De pecado e jasmim, sua boca de
Estrela foi o beijo de carmim.

Revelava-se poesia em seus cabelos,
Nas unhas cravadas nas costas dele,
No olhar que o rasgava em cada mordida
Atrevida dessa que tinha uma teia
Cultivada em flor e beleza.

Aos poucos, ele foi paralisando,
Ficando imóvel, envolvido naqueles
Contornos de luz e paz.
Aos poucos ele foi esquecendo de
Fugir e foi querendo muito mais.
E na teia dela ficou preso o amor
Sussurrando pelo avesso o encontro
Da pele com o mito em esplendor.


Karla Bardanza

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Sabes, sabes....???

Sevilha, 2009 © Adelina Silva


Porque nós não sabemos, pois não? Toda a gente sabe. O que faz as coisas acontecerem da maneira que acontecem? O que está subjacente à anarquia da sequência dos acontecimentos, às incertezas, às contrariedades, à desunião, às irregularidades chocantes que definem os assuntos humanos? Ninguém sabe, professora Roux. «Toda a gente sabe» é a invocação do lugar-comum e o inimigo da banalização da experiência, e o que se torna tão insuportável é a solenidade e a noção da autoridade que as pessoas sentem quando exprimem o lugar-comum. O que nós sabemos é que, de um modo que não tem nada de lugar-comum, ninguém sabe coisa nenhuma. Não podemos saber nada. Mesmo as coisas que sabemos, não as sabemos. Intenção? Motivo? Consequência? Significado? É espantosa a quantidade de coisas que não sabemos. E mais espantoso ainda é o que passa por saber.

Philip Roth, in "A Mancha Humana"

sábado, 17 de outubro de 2009

O amor (dos outros)

Algures num Parque © Adelina Silva

A fartura sempre me deixou confusa. Uma mesa demasiado cheia tira-me o apetite. Um restaurante com demasiados pratos no cardápio, baralha-me. Eu adoro ir aos sítios onde até nos dizem de cor o que há. E, sabem, é às vezes no meio de quatro pratos que eu nunca comeria que descubro um paladar que me conquista.
No amor também é assim. Ou talvez seja eu que sou assim. Os homens com demasiadas mulheres em volta estão miseravelmente sozinhos. As mulheres que jogam em várias frentes comem sozinhas à noite refeições aquecidas no microondas.
(…)
O amor é para sentir, não é para mascarar. E quem tem medo de o viver é porque não o merece.

Cidália Dias, in “O Sexo e a Cidade” – Revista NS 197



quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Recordações

Adelina Silva

Quando piso folhas secas...

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Escuta(-me) a chuva

© Adelina Silva


permanecemos aqui, neste quarto, onde a escuridão é eterna claridade. fora deste lugar nunca viste o mar.
mas tudo isto se passou noutro tempo, noutro lugar. e a tua boca deixava na minha um travo de asas salgadas…
breves nuvens. o entardecer sobre o corpo estendido na erva fresca do sonho. Abrias nas pedras fulvas da praia um sítio para esconder a paixão.
cansei-me de te sonhar. cansei-me do sangue e da chuva, da memória dessas rotas difíceis.
donde te escrevo apenas uma parte de mim não partiu.
encosto a alma à quilha do navio. deixo-me ir no vaivém das marés, e da fala

Al Berto, in “O Último Coração do Sonho”

domingo, 4 de outubro de 2009

Procissão

Porto, 2009 © Adelina Silva

(...)
Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Vai passando a procissão.

Pelas janelas, as mães e as filhas,
As colchas ricas, formando troféu.
E os lindos rostos, por trás das mantilhas,
Parecem anjos que vieram do Céu!
(...)

António Lopes Ribeiro

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Sofrer para quê?

Porto, 2009 © Adelina Silva

Esquecemos, repudiamos uma pessoa triste ou doente, em virtude da sua inutilidade psíquica ou física.
Ninguém se abandonará a ti, se não vir nisso algum proveito.
E tu? Creio ter-me abandonado uma vez, desinteressadamente. Não devo, portanto, chorar por ter perdido o objecto daquele abandono. Já não seria desinteressado, nesse caso. No entanto, vendo quanto se sofre, o sacrifício é antinatural. Ou superior às minhas forças. E chorar é ceder ao mundo, é reconhecer que se procurava algum proveito. Há alguém que renuncie, podendo ter? A caridade não é outra coisa que o ideal da impotência.
(…)
Mas a grande, a tremenda verdade é esta: sofrer, para nada serve
.

Cesare Pavese, in "O Ofício de Viver"

domingo, 27 de setembro de 2009

Possuo para sempre tudo o que perdi

Porto, 2009 © Adelina Silva


Possuo para sempre tudo o que perdi. (…) Bebo, fumo, mantenho-me atento, absorto – aqui sentado, junto à janela fechada. Ouço-te ciciar amo-te pela primeira vez, e na ténue luminosidade que se recolhe ao horizonte acaba o corpo. Recolho o mel, guardo a alegria, e digo-te baixinho: Apaga as estrelas, vem dormir comigo no esplendor da noite do mundo que nos foge.


Al Berto, in “O último coração do sonho”

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Braga, 2009 © Adelina Silva


Ninguém avança pela vida em linha recta. Muitas vezes, não paramos nas estações indicadas no horário. Por vezes, saímos dos trilhos. Por vezes, perdemo-nos, ou levantamos voo e desaparecemos como pó. As viagens mais incríveis fazem-se às vezes sem se sair do mesmo lugar. No espaço de alguns minutos, certos indivíduos vivem aquilo que um mortal comum levaria toda a sua vida a viver. Alguns gastam um sem número de vidas no decurso da sua estadia cá em baixo. Alguns crescem como cogumelos, enquanto outros ficam inelutávelmente para trás, atolados no caminho. Aquilo que, momento a momento, se passa na vida de um homem é para sempre insondável. É absolutamente impossível que alguém conte a história toda, por muito limitado que seja o fragmento da nossa vida que decidamos tratar.

Henry Miller, in "O Mundo do Sexo"

domingo, 20 de setembro de 2009

Ai... que prazer...

Póvoa de Varzim, 2009 © Adelina Silva

Ai que prazer
não cumprir um dever
Ter um livro para ler
e não o fazer!
Ler é maçada,
estudar é nada.
O sol doira sem literatura.
O rio corre bem ou mal,
sem edição original.
E a brisa, essa, de tão naturalmente matinal
como tem tempo, não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

(...)
Fernando Pessoa

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Observar é preciso

Santiago de Compostela, 2009 © Adelina Silva

Porque será que sentimos um desejo de proteger ao observarmos o ser amado que não se sabe observado? Porque será que nos dói o coração ao vermos um par de sapatos abandonado? Ou o ser amado que dorme? Pode ser que o corpo adormecido do ser amado expresse todo o patético desta ausência, todo o desamparo de quem ignora que está a ser observado...Os actores são pagos para fingir que não sabem que estão a ser observados, mas é claro que eles esperam a cooperação de quem os observa, e quase sempre a obtêm. E também há os actores que não são pagos (pensei eu): esses é que é preciso observar.

Martin Amis, in "Money"

domingo, 13 de setembro de 2009

Afinação


Porto, 2009 © Adelina Silva


Assim como do fundo da música
brota uma nota
que enquanto vibra cresce e se adelgaça
até que noutra música emudece,
brota do fundo do silêncio
outro silêncio, aguda torre, espada,
e sobe e cresce e nos suspende
e enquanto sobe caem
recordações, esperanças,
as pequenas mentiras e as grandes,
e queremos gritar e na garganta
o grito se desvanece:
desembocamos no silêncio
onde os silêncios emudecem.
Octavio Paz, in "Liberdade sob Palavra"


Porto, 2009 © Adelina Silva


domingo, 6 de setembro de 2009

Porque não te calas?

Magaluf/Palma Nova, 2009 © Adelina Silva

Quando se conta a outrem um segredo este
desmaia: a palavra
torna-se pele
sem leão lá dentro.

Não é mais segredo e não o sendo
finge ser lembrança
de fabrico imperfeito:
um cliqueti no silêncio escancara

a dantes inamovível porta
e virada a página acha-se apenas
uma moeda
que não corre já.

Júlio Pomar, in "TRATAdoDITOeFEITO"


sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Duplicidade

Santiago de Compostela, 2009 © Adelina Silva

Muita coisa, que em certas fases do homem lhe dificulta a vida, serve, numa fase superior, para lha facilitar, porque esses homens aprenderam a conhecer maiores complicações da vida. O inverso sucede igualmente: é assim, por exemplo, que a religião tem um duplo rosto, conforme uma pessoa ergue para ela o olhar, para que ela o livre da sua cruz e das suas penas, ou baixa para ela o olhar como para as cadeias que lhe foram postas, a fim de que não suba pelos ares demasiado alto.

Friedrich Nietzsche, in “Humano, Demasiado Humano”

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Landscape

© Adelina Silva



A paisagem faz a raça. A Holanda é uma terra pacífica e serena, porque a sua paisagem é larga, plana e abundante. A paisagem que fez o grego, era o mar, reluzente e infinito, o céu, sereno, transparente, doce, e destacando-se sob aquela imobilidade azul, um templo branco, puro, augusto, rítmico, entre a sombra que faz um grupo de oliveiras. A paisagem do romano é toda jurídica: as terras ásperas, a perder de vista, separadas por marcos de tijolo; uma grande charrua puxada por búfalos, vai passando entre os trigos; uma larga estrada lajeada, eterna, sobre a qual rolam as duas altas rodas maciças dum carro sabino; uma casa coberta de vinha branqueja ao longe, na planície. Não importa a cor do céu: o romano não olha para o céu.


Eça de Queirós, in “O Egipto”

sábado, 29 de agosto de 2009

O olhar para além do Outro

Porto, 2009 © Adelina Silva
Deixemos pois de pensar mais em punir, em censurar e em querer melhorar! Não seremos capazes de modificar um único homem; e se alguma vez o conseguíssemos seria talvez, para nosso espanto, para nos darmos também conta de outra coisa: é que teríamos sido nós próprios modificados por ele! Procuremos antes, por isso, que a nossa influência se contraponha e ultrapasse a sua em tudo o que está para vir! Não lutemos em combate directo... qualquer punição, qualquer censura, qualquer tentativa de melhoria representa combate directo. Elevemo-nos, pelo contrário, a nós próprios muito mais alto. Façamos sempre brilhar de forma grandiosa o nosso exemplo. Obscureçamos o nosso vizinho com o fulgor da nossa luz. Recusemo-nos a nos tornar, a nós próprios, mais sombrios por amor dele, como todos os castigadores e todos os descontentes! Escutemo-nos, antes, a nós. Olhemos para outro lado.

Friedrich Nietzsche, in "A Gaia Ciência"

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

É a liberdade real?

Porto, 2009 © Adelina Silva


Se examinarmos um indivíduo isolado sem o relacionarmos com o que o rodeia, todos os seus actos nos parecem livres. Mas se virmos a mínima relação entre esse homem e quanto o rodeia, as suas relações com o homem que lhe fala, com o livro que lê, com o trabalho que está fazendo, inclusivamente com o ar que respira ou com a luz que banha os objectos à sua roda, verificamos que cada uma dessas circunstâncias exerce influência sobre ele e guia, pelo menos, uma parte da sua actividade. E quantas mais influências destas observamos mais diminui a ideia que fazemos da sua liberdade, aumentando a ideia que fazemos da necessidade a que está submetido.
Leon Tolstoi, in "Guerra e Paz"

domingo, 23 de agosto de 2009

Gaiola Dourada...

Porto, 2009 © Adelina Silva

Tenta fazer esta experiência, construindo um palácio. Equipa-o com mármore, quadros, ouro, pássaros do paraíso, jardins suspensos, todo o tipo de coisas... e entra lá para dentro. Bem, pode ser que nunca mais desejasses sair daí. Talvez, de facto, nunca mais saisses de lá. Está lá tudo! 'Estou muito bem aqui sozinho!'. Mas, de repente - uma ninharia! O teu castelo é rodeado por muros, e é-te dito: 'Tudo isto é teu! Desfruta-o! Apenas não podes sair daqui!'. Então, acredita-me, nesse mesmo instante quererás deixar esse teu paraíso e pular por cima do muro. Mais! Tudo esse luxo, toda essa plenitude, aumentará o teu sofrimento. Sentir-te-ás insultado como resultado de todo esse luxo... Sim, apenas uma coisa te falta... um pouco de liberdade.

Fiodor Dostoievski, in "O Movimento de Liberação"

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

A arte da conversação

Magaluff, 2009 © Adelina Silva


O que faz com que poucas pessoas sejam agradáveis na conversação é que cada uma pensa mais no que tem a intenção de dizer do que naquilo que as outras dizem, e que não se escuta às demais quando se tem vontade de falar.
Para agradar aos outros é preciso falar daquilo de que eles gostam e que os interessa, evitar as discussões sobre coisas indiferentes, formular-lhes raramente perguntas e não os deixar crer que se pretende ter mais razão que eles.
Evitemos sobretudo falar frequentemente de nós mesmos e de nos darmos como exemplo. Nada é mais desagradável do que uma pessoa que se cita a si mesma a cada passo.

François La Rochefoucauld, in 'Reflexões Diversas'

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Perdas e Ganhos

Santiago de Compostela © Adelina Silva

Fosse a tua vida três mil anos e até mesmo dez mil, lembra-te sempre que ninguém perde outra vida que aquela que lhe tocou viver e que só se vive aquela que se perde. Assim a mais longa e a mais curta vida se equivalem. O presente é igual para todos, e o que se perde é, por isso mesmo, igual, e o que se perde surge como a perda de um segundo. Com efeito, não é o passado ou o futuro que perdemos; como poderia alguém arrebatar-nos o que não temos? Por isso toma sentido, a toda a hora, nestas duas coisas: primeiramente, que tudo, desde toda a eternidade, apresenta aspecto idêntico e passa pelos mesmos ciclos, e pouco importa assistir ao mesmo espectáculo em duzentos anos ou toda a eternidade; depois, que tanto perde o homem que morre carregado de anos como o que conta breves dias, consistindo a perda no momento presente; não se pode perder o que não se tem.

Marco Aurélio, in "Pensamentos"

domingo, 16 de agosto de 2009

A voz do silêncio

Magaluff/Palmanova, 2009 © Adelina Silva

A pessoa que sou é única, limitada a um nascer e a um morrer, presente a si mesma e que só à sua face é verdadeira, é autêntica, decide em verdade a autenticidade de tudo quanto realizar. Assim a sua solidão, que persiste sempre talvez como pano de fundo em toda a comunicação, em toda a comunhão, não é 'isolamento'. Porque o isolamento implica um corte com os outros; a solidão implica apenas que toda a voz que a exprima não é puramente uma voz da rua, mas uma voz que ressoa no silêncio final, uma voz que fala do mais fundo de si, que está certa entre os homens como em face do homem só. O isolamento corta com os homens: a solidão não corta com o homem. A voz da solidão difere da voz fácil da fraternidade fácil em ser mais profunda e em estar prevenida.

Vergílio Ferreira, in 'Espaço do Invisivel I'

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Tango

Magaluff, 2009 © Adelina Silva


E depois as mãos soltas e os dedos a desbravarem os secretos caminhos entre as linhas da vida nas palmas das mãos e os braços e os antebraços nus a acompanharem a dança. São precisos dois para dançarem o tango. Não era uma valsa, não. Era um tango. Um tango argentino dançado na perfeição pelas mãos de dois desconhecidos. Sem palavra alguma. Nenhuma era precisa.

Pedro Paixão, in "Mãos"

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Chave da vida

Madrid, 2009 © Adelina Silva


Um homem é dotado de livre arbítrio e de três maneiras: em primeiro lugar, era livre quando quis esta vida; agora não pode evidentemente rescindi-la, pois ele não é o que a queria outrora, excepto na medida em que completa a sua vontade de outrora, vivendo.
Em segundo lugar, é livre pelo facto de poder escolher o caminho desta vida e a maneira de o percorrer.
Em terceiro lugar, é livre pelo facto de na qualidade daquele que vier a ser de novo um dia, ter a vontade de se deixar ir custe o que custar através da vida e de chegar assim a ele próprio e isso por um caminho que pode sem dúvida escolher, mas que, em todo o caso, forma um labirinto tão complicado que toca nos menores recantos desta vida.
São esses os três aspectos do livre arbítrio que, por se oferecerem todos ao mesmo tempo formam apenas um e de tal modo que não há lugar para um arbítrio, quer seja livre ou servo.



Franz Kafka, in "Meditações"

domingo, 9 de agosto de 2009

Olhar, ver e chorar

Magaluff/Palma Nova, 2009 © Adelina Silva

Notável criatura são os olhos! Admirável instrumento da natureza; prodigioso artifício da Providência! Eles são a primeira origem da culpa; eles a primeira fonte da Graça. (...) Todos os sentidos do homem têm um só ofício; só os olhos têm dois. O Ouvido ouve, o Gosto gosta, o Olfacto cheira, o Tacto apalpa, só os olhos têm dois ofícios: Ver e Chorar. Estes serão os dois pólos do nosso discurso. Ninguém haverá (se tem entendimento) que não deseje saber por que ajuntou a Natureza no mesmo instrumento as lágrimas e a vista; e por que uniu a mesma potência o ofício de chorar, e o de ver? O ver é a acção mais alegre; o chorar a mais triste. Sem ver, como dizia Tobias, não há gosto, porque o sabor de todos os gostos é o ver; pelo contrário, o chorar é o estilado da dor, o sangue da alma, a tinta do coração, o fel da vida, o líquido do sentimento. Por que ajuntou logo a natureza nos mesmos olhos dois efeitos tão contrários, ver e chorar? A razão e a experiência é esta. Ajuntou a Natureza a vista e as lágrimas, porque as lágrimas são consequência da vista; ajuntou a Providência o chorar com o ver, porque o ver é a causa do chorar. Sabeis porque choram os olhos? Porque vêem.

Padre António Vieira, in "Sermões"

sábado, 25 de julho de 2009

O tempo é um artista

Póvoa de Varzim, 2009 © Adelina Silva

A ideia de que somente é belo o que é novo e jovem envenena as nossas relações com o passado e com o nosso próprio futuro. Impede-nos de compreender as nossas raízes e as maiores obras da nossa cultura e das outras culturas. Faz-nos também recear o que está à nossa frente e leva muita gente a fugir à realidade.

Walter Kaufmann, in 'O Tempo é um Artista'

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Projectar o Passado

Ciudad Rodrigo, 2009 © Adelina Silva


O presente estaria cheio de todos os futuros, se já o passado não projectasse sobre ele uma história. Mas, infelizmente, um único passado propõe um único futuro - projecta-o diante de nós como um ponto infinito sobre o espaço.

André Gide, in 'Os Frutos da Terra'



terça-feira, 21 de julho de 2009

A Primeira de Todas as Paixões

Madrid, 2009 © Adelina Silva

Quando o primeiro contacto com algum objecto nos surpreende e o consideramos novo ou muito diferente do que conhecíamos antes ou então do que supunhamos que ele devia ser, isso faz que o admiremos e fiquemos espantados com ele. E como tal coisa pode acontecer antes que saibamos de alguma forma se esse objecto nos é conveniente ou não, a admiração parece-me ser a primeira de todas as paixões. E ela não tem contrário, porque, se o objecto que se apresenta nada tiver em si que nos surpreenda, não somos emocionados por ele e consideramo-lo sem paixão.

René Descartes, in "As Paixões da Alma"

sábado, 18 de julho de 2009

Ser Diferente

Madrid, 2009 © Adelina Silva

A única salvação do que é diferente é ser diferente até o fim, com todo o valor, todo o vigor e toda a rija impassibilidade; tomar as atitudes que ninguém toma e usar os meios de que ninguém usa; não ceder a pressões, nem aos afagos, nem às ternuras, nem aos rancores; ser ele; não quebrar as leis eternas, as não-escritas, ante a lei passageira ou os caprichos do momento; no fim de todas as batalhas — batalhas para os outros, não para ele, que as percebe — há-de provocar o respeito e dominar as lembranças; teve a coragem de ser cão entre as ovelhas; nunca baliu; e elas um dia hão-de reconhecer que foi ele o mais forte e as soube em qualquer tempo defender dos ataques dos lobos.

Agostinho da Silva, in 'Diário de Alcestes'