sábado, 16 de outubro de 2010

Imagens Proibidas

Valladolid, 2010 © Adelina Silva

Aqui deste lado não poderias ser quem eras, quem serias. Fugiste de um mundo pequenino, de uma asfixia. Agora de ti nada sei: de que te alimentas, quem amas, onde dormes. Nem desejo saber. Basta lembrar-me de ti como quem relembra uma música. Eu quis-te com uma violência que desconhecia. Tu levaste-me por paragens inóspitas, repletas de perigos. Por ti senti pavor. Por ti senti raiva. Por ti senti desespero. Entre nós havia sempre uma impossibilidade, um vazio. Tu eras em tudo um bicho indomável. Nunca te oferecias. Era preciso ir buscar-te aos lugares mais secretos. Tive de inventar a fotografia para te capturar em imagens proibidas.

Pedro Paixão, in “Imagens Proibidas”

3 comentários:

ruimnm disse...

Grande invenção, então, esta fotografia.

mfc disse...

Somos semi..isto..semi...aquilo!
Quando é que encaramos de frente a nossa dimensão?!

A foto é genialmente... complicada!
(mas não é semi...!)

Remus disse...

Com um passito a trás, a estátua da cúpula que aparece colada ao placard, iria ganhar mais margem de "manobra" e não ficaria colada ao placard. Da forma a fotografia ficaria mais harmoniosa.
É claro que esta é a minha e só minha modesta opinião. :-)