segunda-feira, 11 de maio de 2009

Olhares




Póvoa de Varzim, 2009 © Adelina Silva

(...) "Reencontramo-nos a cada frase com todos os grandes temas mas enganamo-nos se os tentarmos organizar: coisas como o sentido da vida, a busca de uma transcendência, a morte e a passagem do tempo, o conflito das gerações e por aí fora, não têm mais importância do que pôr e tirar o chapéu, beber um copo de água, fumar um cigarro, dar uma gorjeta, colher uma flor ou coçar o nariz. A vida passa-se a todos os níveis e porventura mais nos que não conseguimos nomear. Ninguém vale mais que o outro, tudo conta e de tudo depende cada destino. Cada silêncio tanto como o que se diz. O infinitamente grande só se vê com um microscópio. Porque a vida é assim. Mas como se representa isto? Se a vida mesmo não é a ficção que no palco tentamos reconstruir com uma imagem? (...)"

6 comentários:

Joe disse...

Obrigado pela visita ao meu blog e comentários. Também há aqui coisas interessantes.

Paulo - Intemporal disse...

"

porque a vida é assim

"

parabéns pela assertividade.

um abraço Adelina

mfc disse...

Temos sempre a veleidade de pensarmos que conseguimos alterar à nossa feição a vida que sonhamos!
Começa por nem nós termos a certeza do que desejamos... mas, todavia, pensamos que sim.
Se nem conseguimos controlar o Tempo, daí para a frente é um chorrilho de inatingibilidade absolutamente sufocante.

Joni disse...

Mar e destino. beijinho

O Árabe disse...

Boas fotos... e excelente escolha de texto! :) Boa semana.

Vieira Calado disse...

E os barcos?
Aqui há uns tempos transportavam peixe...

Cumprimentos