quarta-feira, 13 de maio de 2009

Pal(o)Mar

Póvoa de Varzim, 2009 © Adelina Silva


"O senhor Palomar procura agora limitar o seu campo de observação; se ele considerar um quadrado, digamos, de dez metros de mar, pode fazer um inventário completo de todos os movimentos de ondas que ali se repitam com variadas frequências, num dado intervalo de tempo. A dificuldade consiste em fixar os limites desse quadrado, porque se ele considerar, por exemplo, como o lado mais distante de si a linha mais proeminente de uma onda que avança, esta linha, ao aproximar-se dele e ao elevar-se, esconde aos seus olhos tudo aquilo que está por detrás dela; e eis que o espaço tomado em consideração se inverte e se reduz ao mesmo tempo."
Italo Calvino, in “Palomar”

4 comentários:

Carla disse...

não conhecia a obra...fiquei com vontade de a descobrir. Obrigada
beijos

mfc disse...

É impossível captar, mas é-nos permitido observar!

Joni disse...

Gostei de conhecer Italo Galvino, a foto no pormenor, em frente ao mar; longe a solidão :) beijinho

Remus disse...

Excelente momento captado.
A expressão corporal do "miúdo" está excelente.
Parabéns.