sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Duplicidade

Santiago de Compostela, 2009 © Adelina Silva

Muita coisa, que em certas fases do homem lhe dificulta a vida, serve, numa fase superior, para lha facilitar, porque esses homens aprenderam a conhecer maiores complicações da vida. O inverso sucede igualmente: é assim, por exemplo, que a religião tem um duplo rosto, conforme uma pessoa ergue para ela o olhar, para que ela o livre da sua cruz e das suas penas, ou baixa para ela o olhar como para as cadeias que lhe foram postas, a fim de que não suba pelos ares demasiado alto.

Friedrich Nietzsche, in “Humano, Demasiado Humano”

5 comentários:

Remus disse...

As cores e o grafismo provocado pelas bengalas foram muito bem captados.

mfc disse...

A religião encarna o espírito da "cunha"!
A abundância de elementos na imagem, ao invés de nos dispersar, faz com olhemos para cada um deles, notando-lhes as diferenças.

Rui Areal disse...

Santiago é um lugar mágico

Joni disse...

mais uma fotografia estupenda levada ao pormenor .parabéns

micael disse...

...Aproxima-se o dia em que uma bengala me ajudará a reflectir e a olhar para os caminhos que percorri...

Bom fim de semana, Adelina