terça-feira, 22 de setembro de 2009

Braga, 2009 © Adelina Silva


Ninguém avança pela vida em linha recta. Muitas vezes, não paramos nas estações indicadas no horário. Por vezes, saímos dos trilhos. Por vezes, perdemo-nos, ou levantamos voo e desaparecemos como pó. As viagens mais incríveis fazem-se às vezes sem se sair do mesmo lugar. No espaço de alguns minutos, certos indivíduos vivem aquilo que um mortal comum levaria toda a sua vida a viver. Alguns gastam um sem número de vidas no decurso da sua estadia cá em baixo. Alguns crescem como cogumelos, enquanto outros ficam inelutávelmente para trás, atolados no caminho. Aquilo que, momento a momento, se passa na vida de um homem é para sempre insondável. É absolutamente impossível que alguém conte a história toda, por muito limitado que seja o fragmento da nossa vida que decidamos tratar.

Henry Miller, in "O Mundo do Sexo"

6 comentários:

João disse...

Que beleza de fotografia. parabéns

mfc disse...

Tudo é complexo demais para ser transmitido integralmente.
E então aquele momento que tudo decide, em que o sorriso é partilhado pelos olhos e pela boca... é inenarrável.

Clara disse...

Sou de Braga e só muito raramente é que reparo nestas estátuas. Mas quando olho para elas penso: Estes devem pensar que somos uns loucos por andar sempre a correr e não apreciar a verdadeira vida.

Beijinhos

Vitamina Dupla disse...

A imagem está excelente, adoro como quase tudo o que por aqui nos ofereces, tens um olhar que gosto...
A vida, simplemente acho que má ou boa é para ser degustada e não engolida, à que aproveitar o pouco tempo.
Beijinhos grandes

Remus disse...

Agora quero vê-lo a sair dali. Acho que já só sai com a ajuda dos bombeiros. :-) :-)

Pormenor bem captado e que muitas das vezes passam completamente despercebidos nas nossas cidades.

Vieira Calado disse...

Uma bela reflexão.

Não é para admirar.

Vindo de quem vem...

Bjs