segunda-feira, 1 de junho de 2009

Como eu não possuo

Porto, 2009 © Adelina Silva

Quero sentir. Não sei... perco-me todo...
Não posso afeiçoar-me nem ser eu:
Falta-me egoísmo pra ascender ao céu.
Falta-me unção pra me afundar no lodo.
Mário de Sá-Carneiro

4 comentários:

mfc disse...

Sempre nos falta muito.
E quando não falta, falta-nos a capacidade de decidir!
É fantástico como o Poeta consegue dizer tudo de uma forma clara e linda.
A foto, para além de bonita, faz uma legenda formidável ao poema.

Remus disse...

É tal e qual como eu a nadar. :-)
As ervitas que aparecem na fotografia, acho que não deviam ter ficado no enquadramento. Até porque elas ficaram estouradas.
Sem elas, a fotografia ficaria mais homogénea e harmoniosa.

Joni disse...

Sublime a foto: Mário de Sá Carneiro, não escolheria melhor para ilustrar este seu poema.beijo

Estranha pessoa esta disse...

É isso!