sábado, 25 de julho de 2009

O tempo é um artista

Póvoa de Varzim, 2009 © Adelina Silva

A ideia de que somente é belo o que é novo e jovem envenena as nossas relações com o passado e com o nosso próprio futuro. Impede-nos de compreender as nossas raízes e as maiores obras da nossa cultura e das outras culturas. Faz-nos também recear o que está à nossa frente e leva muita gente a fugir à realidade.

Walter Kaufmann, in 'O Tempo é um Artista'

5 comentários:

mfc disse...

Só tenho pena de não ter tempo de querer todo o tempo do mundo.Não me interessam os estereotipos, interessa-me aquilo e de quem gosto.
E quanto a gostos... não podem ser classificados. A ocasião é tudo.
Simplesmente acontecem.

O momento em que apanhaste as duas pombas na "máquina à la minute"... foi a ocasião.
Parabéns.

Remus disse...

Até possui o pormenor do passarinho: "Ólha o passarinho!" :-) :-)
Aliás, vários passarinhos. :-)

Estas são recordações que têm tendência a perderem-se.

Paulo disse...

o belo remonta ao passado que urge no presente a ser futuro

.

um beijo meu .
um bom fim de semana .

micael disse...

Perspectivas do passado que se projectam no futuro!.. E o belo surge.
Boas férias.

Vitamina Dupla disse...

Primeiro que tudo peço desculpa por aqui não vir com a regularidade que gostaria e queria:!
Agora o que é belo é o que é jovem completamente errado, apenas é diferente tudo no seu tempo, mas ainda bem que conseguimos perceber o novo e não repreende-lo.
Gostei do teu post como sempre e agora vou ter tempo para aproveitar este teu cantinho que gosto...
Beijo grande em ti cheio de carinho